Ultimas Notícias

23 abril 2018

ITALVA OFERTARÁ VACINA DA GRIPE A PARTIR DESTA TERÇA-FEIRA

A secretaria de Saúde de Italva inicia nesta terça-feira (24/04), a Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza, seguindo a estratégia do Ministério da Saúde para diminuir o impacto da gripe em todo o país. Já o ‘Dia D’, considerada a data mais importante da mobilização nacional, acontecerá no dia 12 de maio. A gripe é uma doença séria que além de causar os sintomas clássicos como febre alta, nariz entupido e dor no corpo, também pode causar complicações como pneumonia e infarto além de, em muitos casos, levar à morte.

A partir da próxima terça já ofereceremos a vacina em todas as Unidades de Saúde da Família e na Estação Criança, bastando que as pessoas do público-alvo se dirijam à unidade onde estão cadastradas para receber a dose necessária”, informou o Secretário de Saúde Arthur Amaral. O público a ser atingido pela vacinação inclui crianças de 6 meses a 4 anos, 11 meses e 29 dias; idosos com mais de 60 anos; gestantes; puérperas; profissionais da saúde; professores; portadores de doenças crônicas como diabetes, asma e artrite reumatoide; imunossuprimidos, como pacientes com câncer que fazem quimioterapia e radioterapia; portadores das síndromes de Down e de Klinefelter.

A VACINA - Todos os anos, os subtipos dos vírus da gripe que serão incluídos no imunizante (vacina) mudam. Em 2018, os tipos de vírus incluídos são o H1N1, o H3Ne o influenza do tipo B Yamagata. Geralmente, a vacina não costuma dar reações. Em casos raros, a pessoa pode experimentar uma pequena alergia na pele, no local da aplicação.

A eficácia da vacina contra o influenza chega ao máximo em 70%. Há poucos casos em que ela não surte efeito. O imunizante só está proibido mesmo para quem tem alergia severa ao ovo (ele é fabricado dentro da casca e se replica a partir da gema e da clara). Mas essa é uma condição bem incomum. É preciso repetir a dose anualmente, já que a taxa de proteção da vacina começa a cair após alguns meses. Os vírus da gripe têm uma alta capacidade de mutação. Logo, as cepas que estão circulando agora são bem diferentes daquelas que aterrorizaram o inverno passado. Portanto, é preciso se resguardar novamente para não penar com espirros, prostração, febre e outros sintomas.