Ultimas Notícias

19 outubro 2015

SECA PROVOCA ÊXODO RURAL EM CARDOSO MOREIRA


Uma paisagem típica do Nordeste brasileiro. Percorrer o município de Cardoso Moreira é ver o leito do quase seco Muriaé e grandes áreas, onde antes, eram utilizadas para plantio e pastos. A estiagem que atinge um dos principais afluentes do rio Paraíba do Sul está provocando outro fenômeno típico da região mais seca do país: a migração. De acordo com o secretário de Agricultura e Pesca da cidade carinho, Helvécio Azevedo, muitos agricultores estão deixando suas propriedades e indo para a cidade por não terem água para beber.

Helvécio disse que o município conta com cerca de 800 produtores rurais, incluindo os de três assentamentos – Francisco Julião, Chico Mendes e Paz na Terra. O secretário disse que a prefeitura está fazendo tudo o que pode para ajudar os agricultores, através de limpeza e abertura de poços, por exemplo. "Mas a gente limpa o poço e daqui a pouco não tem água mais. Abre outro e não encontra água. O rio está com menos de 30 centímetros. Estamos pedindo a Deus que chova. A gente vê que as enchentes eram importantes porque enchiam os valões, o rio, armazenava água. Agora...", lamenta.

O agricultor e comerciante Miguel Genário, de 58 anos, fala que a situação está muito crítica para todos: “Está muito ruim e o que vai resolver é somente a chuva. A gente está vendo hoje no município o que só se via pela televisão. Em toda minha vida nunca vi uma seca como essa. É rezar para chover”, afirma. Opinião semelhante tem a agricultora Adriana Braga da Silva. Ano passado, segundo conta, ela e o marido Sérgio tinham que pegar água com um balde para dar de beber ao gado: “O problema é que este ano, nem o aceiro de onde tirávamos água tem mais. Se a situação continuar assim, teremos que retirar os animais da outra propriedade que meu marido toma conta e trazer para cá. Ele já fala até em vender o gado, mas não sei quem compraria”, afirma a agricultora.

GADO ESTÁ MORRENDO E RAÇÃO VEM DE FORA 
Ano passado, a situação foi extrema. O município não decretou emergência, mas o secretário lembra que São Fidélis fez isso, mas não foi oficializada pelo Governo Federal. A seca matou mais de 500 cabeças de gado. Além disso, Cardoso Moreira enfrentou um período de fome animal: “A prefeitura enviava caminhões a Campos e São Francisco de Itabapoana para buscar cana e alimentar os animais. Eram seis caminhões por dia nesse trabalho. Não fosse isso, o número seria ainda maior”, garante o secretário.

Este ano, alguns agricultores já estão buscando ração fora, mas a prefeitura voltará a ajudar nesse serviço, além da rotineira limpeza de poços.

"A maior dificuldade é atender a todos, porque o município é muito extenso. Às vezes uma máquina está de um lado. Um agricultor pede ajuda de outro lado, uma distância de quase 50 quilômetros. Então fazemos por localidade. Mas os pedidos não param", conta. E, realmente, por onde o secretário passa, os pedidos de ajuda vão chegando por parte dos agricultores de várias partes, mas os recursos são escassos.

COMITÊ BUSCARÁ MAIS DADOS SOBRE ESTIAGEM
Um dos diretores do Comitê do Baixo Paraíba, Leandro Peixoto, disse que a gestão dessa crise cabe aos próprios municípios. Sexta-feira última, porém, a Câmara Técnica do Comitê definiu que irá enviar aos municípios afetados pela estiagem um questionário para coletar dados sobre a situação, além de fazer uma “radiografia” da região.

Esse levantamento servirá para que o Comitê elabore planos de ação para reestruturação vegetal das margens dos rios e proteção das nascentes: “Toda estrutura vegetal foi devastada ao longo dos anos. Precisamos identificar os recursos que ainda existem e fazer reestruturação vegetal para que as nascentes que ainda existem não morram. Isso é importante porque, havendo chuva, essa não vai escoar para o mar, por exemplo” Além disso, os municípios membros do Conselho dos Secretários de Meio Ambiente (Cosema) – que abrange 15 municípios do noroeste mais Cardoso Moreira e São Fidélis – estão articulando para cobrar ações das concessionárias de água: “Em São Fidélis, por exemplo, fizemos isso e a Cedae mudou o local de captação. É responsabilidade das concessionárias”, disse. Fonte: Folha da manhã